Leia este artigo em francês, espanhol.

A conferência “Falando com a Europa” é uma das importantes conferências virtuais que a Universidade Católica de Santo Domingo, através das suas várias faculdades e escolas, em particular a Escola de Diplomacia e Serviços Internacionais, tem organizado para alimentar e equipar os alunos, todas as categorias combinadas, para melhor compreender o presente e, consequentemente, fazer melhores projeções sobre o futuro das relações internacionais cooperativas.

No entanto, dadas as apresentações dos mais destacados embaixadores da União Europeia, o futuro da cooperação internacional tem uma expressão mais retórica do que positivista, dada a crise do COVID-19 e a imprevisibilidade do seu impacto real sobre a economia global e o receio de que haja uma recuperação dos casos no mundo afora, o que poderia eventualmente levar à saturação, para não dizer o colapso, do sistema de saúde global e impossibilitar o reinício completo da produção em escala planetária.

Em outras palavras, a Europa, através dos seus excelentes embaixadores Gianluca Grippa e Annemieke Verrijp, está nos dizendo que até agora, ninguém tem as respostas adequadas, nem os especialistas, estamos todos aprendendo. Mas aqui, neste processo de aprendizagem, uma firme vontade de corrigir os erros do passado para melhor construir o futuro sobre uma base mais sólida do multilateralismo, pois está demonstrado, por esta pandemia, que sozinho e isoladamente, nenhum país será capaz de enfrentar esta ameaça triunfantemente, ou qualquer outra grande ameaça.

Mas isso está longe de dizer que é o fim da cooperação internacional, claro que não, mas nos diz que a ajuda econômica, financeira e orçamentária ficará estagnada ou mesmo reduzida considerando que; Alemanha, França, Inglaterra, Espanha, Estados Unidos da América, Canadá e UE, os países mais afetados economicamente por esta pandemia, são os principais cooperadores da cooperação internacional Norte-Sul … isso explica porque os últimos fundos aprovados pelos 27 líderes europeus de 750.000 milhões de euros (840.000 milhões de dólares) são principalmente para os 27 países da união que a comissão terá que distribuir sob a forma de subvenções (390.000 milhões) e empréstimos (360.000) para re-estimular a economia da Europa. (DW, 2020).

Vale ressaltar que o Congresso dos Estados Unidos aprovou em maio um pacote recorde de US $ 3 bilhões dedicado inteiramente à economia nacional, para responder à crise do coronavírus e fornecer pagamentos emergenciais a milhões de famílias americanas. (POST, 2020) E o que resta para os países emergentes e em desenvolvimento, especialmente a República Dominicana, neste quadro tal como é pintado? Quais soluções identificadas podem ser aplicadas à República Dominicana em termos de cooperação internacional?

Em virtude dos dados mencionados durante a conferência, acredito que a República Dominicana continua a ser um importante ponto geoestratégico que, com boas decisões e políticas externas adequadas de cooperação com os parceiros mais estratégicos, a Europa e o A América do Norte será capaz de garantir os investimentos estrangeiros

diretos para manter os empregos e o crescimento econômico por meio das exportações do setor agrícola e do turismo, embora em um ritmo mais lento.

E aqui tomo a liberdade de me referir às reflexões do chanceler designado Roberto Álvarez durante a entrevista ao «TeleMatutino11» em 20/07/2020. R. Álvarez, muito competente no assunto, diz-nos que perante este quadro tal como está pintado “a República Dominicana precisa de uma boa política interna porque não há política externa sem ela, sólida segurança jurídica, fundamental para atrair e garantir os investimentos estrangeiros diretos e um conjunto de condições para tornar as exportações do país mais competitivas”.

Na minha opinião, o que falta como solução para a República Dominicana (ou qualquer um dos países emergentes) é seu próprio potencial de se tornar mais dinâmico para se beneficiar do deslocamento de grandes capitais que deixam a Ásia para se estabelecer em outro lugar, especialmente em nosso hemisfério. Mas não se engane, a Ásia é o futuro da economia global deste século, com suas economias mais dinâmicas: China, Índia, Japão, Indonésia e Rússia.

Escrito por Tavenky CLERMON,

Internacionalista

Traduzido para o português por Jean Richard Badettte

Laisser un commentaire

Votre adresse e-mail ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *

Check Also

ECONOMIE | L’Espagne sera la seule économie de l’UE qui n’aura pas retrouvé en 2022 son PIB d’avant la pandémie

En fait, selon les estimations de l'exécutif communautaire, l'Espagne sera le seul pays de…